terça-feira, 9 de maio de 2017

Fora da palavra / quando mais dentro aflora

O silêncio como gesto. Como sinal de que há algo que falta ser dito. Onde estarão essas palavras? Serão palavras já, ou ainda estão sendo gestadas?
É curioso como a raiva empurra as palavras pra fora, enquanto a tristeza tem por hábito prendê-las. A tristeza cala o que a raiva fala. É preciso ouvir a tristeza, ou pelo menos comunicar-se por seus gestos.


terça-feira, 28 de fevereiro de 2017

“Aventureiro” se chamava o barco, ancorado em frente à casa do pescador. Tinha escolhido para o barco um nome que começava com A da mesma forma que batizara todos os seus filhos: Agenor, Adriana, Adalberto, Aline e Antônio.
Pois uma tarde, Antônio, o menorzinho, apoiando-se nos joelhos do pai, que fumava sentado na frente de casa, fitou o mar e perguntou:
- Pai, quando os barcos viram ou batem e quebram, eles morrem?
O pescador sabia que, na língua das crianças, o menino estava repleto de razão.
- Sim, meu filho.
- Mas, quando eles morrem, eles afundam... Então o fundo do mar é o céu dos barcos?
O pescador nunca tinha pensado nisso, mas logo se pôs a imaginar o barco tocando o fundo do oceano, solitário, restando alguns de seus pertences doravante sem função nenhuma, sendo pouco a pouco coberto por algas e fazendo amizade com os peixes por toda a eternidade. Nenhum barco mereceria o inferno, ponderou. O Aventureiro, que sempre esteve na superfície daquilo tudo, assim desbravaria finalmente a profundidade do mar, descobrindo que as águas podem ser bem mais tranqüilas do que ameaçavam com suas ondas e os temporais. Ficando à deriva, porém não mais dos ventos que o empurrariam para longe, e sim de toda vida marinha que viria a rodeá-lo.
- Sim, filho. O fundo do mar é o céu dos barcos.

segunda-feira, 23 de janeiro de 2017

De tanto afogar as mágoas
um com o outro
acabaram por afundar
um no outro

domingo, 1 de janeiro de 2017

vagar
devagar
divagando